quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Reencarnação: resposta às críticas de um ateu





O espírito tem sede de aprendizado e interesse em vencer desafios. Por isto você reencarnou. Livro Espirital




Ler o que escrevem aqueles que não concordam com nossas crenças é uma das melhores formas de aprendizagem. As objeções destas pessoas são sempre um convite para a reflexão e para o estudo.

O texto abaixo foi extraído do site Ceticismo.net .  Depois do texto estão meus comentários.


“Eu tenho um cão e um gato. Eles aprenderam a fazer coco e pipi no local certo. Sabe por que? Porque eu os pego no ato e levo para o local adequado e ao mesmo tempo fico gritando, “Não pode!”

Esse método funciona porque o cão ou gato percebe o que está fazendo e associa a desaprovação com o ato que esta praticando. E com o tempo eles aprendem a não fazer suas necessidades em nenhum outro local a não ser o indicado.

Se você vir o cachorro fazendo suas necessidades em um local proibido, esperar uma hora e depois xingá-lo, não funciona. Ele não vai aprender nada porque não sabe o motivo de estar sendo punido. Sendo assim, é pura perda de tempo e até crueldade, puni-lo.

O mesmo acontece com uma criança. Se uma criança não sabe porque está sendo punida porque não lembra do que fez, a punição é cruel e injusta, sendo assim até com as crianças convém punir em tempo hábil.

Vamos a reencarnação. Nela, eu estaria na mesma condição do cão. Estaria sendo punido por um crime que não sei que cometi. Se eu não lembro de nada, a punição sempre será injusta para mim.

Vou dar-lhe um outro exemplo prático. Suponhamos que você esteja aprendendo a dirigir. Eu te ensino tudo que tem que fazer. Passamos uma tarde inteira treinando e no dia seguinte, você esquece tudo que lhe ensinei. Tenho que começar tudo de novo. E assim por diante. É óbvio que você nunca vai evoluir dessa forma. Nunca vai aprender nada assim pois o processo de aprendizagem é cumulativo. É como a adição. Todo dia vai se acrescentando algo até chegar a um total. Esse total seria o que você aprendeu. Sem memória não há aprendizagem”.


Comentário:

Dizem os sábios que algumas lógicas só são críveis quando estão envoltas pela neblina da ignorância. Foi assim que legiões de sábios acreditaram que o sol girava em torno da Terra. Era isto o que eles observavam. Foi por uma destas lógicas banhadas no caldo da ignorância que Leonardo da Vinci partiu da Itália e foi morar na França. Os médicos queriam que ele fosse julgado por suas pesquisas com a anatomia humana; considerada desnecessária e abusiva.

Faltou a todos eles a necessária paciência para aprender, estudar e dialogar. A consequência foi a geração de muitas lógicas que se mostraram totalmente ilógicas. É o que acontece com o texto acima. Ele possui uma conclusão interessante: sem memória não há aprendizado. Isto é verdade. O problema é que este senhor se “esqueceu” que existem VÁRIOS TIPOS DE MEMÓRIAS (primeiro erro).

Por exemplo: o bebê aprende a andar e não sabe o porquê deve se levantar, não sabe o porquê deve fortalecer os músculos da perna, etc. Ele faz. Existe uma vontade interior, derivado da genética. O fato é que ele aprende a andar sem saber o porquê e nem como. Ele trabalha com outros tipos de memórias, pois o nível de consciência de suas ações é muito baixo.

O fato real é que ninguém se lembra de quando tinha 1 , 2 ou 3 anos, por exemplo. Você aprendeu um monte de coisas e estas coisas continuaram dentro de você. Elas foram muito importantes para a formação da sua personalidade e te influenciam até hoje. Muitas vezes você pode dizer: porque faço isto desta forma? Porque sou assim? Não saberá a resposta. Mas, a verdade é que você é assim e fatos acorridos na sua primeira infância, que você não se lembra, te ajudaram a ser assim.

O segundo erro do cético/ateu: acreditar que a pessoa precisa se lembrar do motivo, origem ou o porque das coisas para aprender. 

Observe que você aprendeu muitas coisas até os quatro anos e mantém este aprendizado até hoje. Apesar de ter aprendido, não se lembra. Assim também é com a reencarnação. O cético erra ao imaginar que o bebê é uma folha em branco, que tem que aprender tudo de novo. Nada mais falso do que isto.

Terceiro erro do cético: acreditar que o bebê tem que aprender tudo de novo. 

O bebê tem que aprender de novo os fatos adaptativos da nova vida. A adaptação do corpo (aprender a andar, aprender a língua, a escrita, etc). Adaptação à sociedade: aprender as regras sociais, as sutilezas de cada cultura, etc. Mas, ele não tem que aprender o que é próprio do espírito, que estão presentes em sua vida como potencialidades que vão desabrochando segundo algumas regras (se são estimuladas, se são sintonizadas, etc).

Quem tem vários filhos sabe que suas personalidades são muito diferentes; assim como interesses, intenções, etc. Um amigo notou que seu filho de dois anos estava andando de uma forma esquisita.  Ele começou a reparar que ele estava desviando seus pés das pequenas formigas. Ao ser perguntada, a criança verbalizou: “porque as pessoas matam as pequenas formigas? Elas devem viver.” De onde veio este aprendizado? De onde veio o interesse por estes temas? Porque ele desenvolveu esta sensibilidade e seu irmão não?

Esta criança aprendeu algo. Ninguém sabe o porquê foi aquele aprendizado que se tornou central em sua vida. A criança recebe milhares de informações e filtra algumas que se tornam muito importantes em suas vidas. É desta forma que se forma a personalidade. Existem influências no interior dos seres humanos que dirigem este interesse e estas escolhas. A origem destes interesses? A influência do espírito sobre o corpo.

A vida humana possui sua parte mais importante formada por impulsos que surgem de dentro para fora. Seja por genética, seja por influência do próprio espírito. Esta é a única diferença do pensamento ateu para o pensamento espiritual: o que vem de dentro para fora é formado TAMBÉM pelo espírito da pessoa.


O cético diz: “ele não vai aprender porque não sabe o motivo pelo qual está sendo punido”. Ele enfoca seu argumento em “saber por que”. Este “saber por que” pode ser sinônimo de ter consciência (no ser humano). O que um feto não possui; nem um bebê. Inúmeros estudos estão confirmando que o feto aprende. Lá dentro do útero, sem saber o porquê, o feto aprende. Simplesmente porque o aprendizado vai além da memória consciente que o autor descreve. Ou seja, o que ele diz é ótimo para explicar como ter gatos educados; é de uma ignorância enorme para explicar a formação da personalidade; que é a área na qual o espírito mais influencia a vida encarnada.




Reforçando: Quantas vezes você se pergunta: porque será que isto está acontecendo? Não entendo como isto foi acontecer? Gostaria de saber por que sou assim? Porque faço isso? Não ter plena consciência do que acontece na vida é algo muito comum. Mais comum ainda na vida de um feto e de um bebê. Mesmo assim, eles aprendem e se desenvolvem. Foi assim que o cético aprendeu a falar. Ele não entendia nada. Mas, sua natureza fez com que ele focasse sua atenção no que ele não entendia e, aos poucos e sem consciência, ele foi aprendendo.

O bebê chora ao ter fome. Não tem a menor consciência do processo de fome e da organização da sua vida: horário, trabalho, esperar, etc. Mesmo assim, ele aprende muito (o espírito e a genética dirigem suas reações e percepções). Estes primeiros meses nos quais ele sofre e é cuidado sem entender “o porquê” serão bases poderosas da sua personalidade por toda a sua vida.

A verdade: é mais comum do que muita gente imagina nossa ignorância sobre nós mesmos, nosso corpo, nossa vida. Mesmo assim ela é recheada de aprendizados. Cada situação propicia aprendizados variados, mesmo quando não se tem consciência do que é, como é ou por que.

Neste exato momento centenas de milhões de pessoas estão desenvolvendo doenças sem saber disso. Cada doença é uma janela de oportunidades de aprendizados. Bilhões de pessoas gostariam de agir diferente, e não entendem porque agem de determinada forma.

Conclusão: aprendemos sempre. Esta é a beleza da vida humana. Se houver consciência (saber o porquê), o aprendizado será mais fácil. Porém, não é necessário na maior parte das vezes.

O espírito influencia o corpo:

O “esquecimento” das outras encarnações tem várias funções na reencarnação. Suponhamos que um espírito teve várias encarnações em que foi vítima de grandes e duradouras violências (para ler vários casos de reencarnações sugiro que leia o livro Nascer Várias Vezes). Estes traumas foram tão grandes que continuaram a perturbar este espírito. Pode ser que em um planejamento de encarnação seja considerado importante não permitir que estes traumas influenciem a vida naquela reencarnação. Ele nascerá “protegido” destas influências traumáticas. Seu foco será desenvolver outras habilidades e qualidades importantes para o espírito. Se fosse para saber tudo, lembrar de tudo, ser influenciado por tudo, não precisaria da encarnação. Qual seria a função da encarnação para este espírito, se ele fosse ser influenciado por todas as suas experiências anteriores? Melhor permanecer no(s) plano(s) espiritual(is).

Faltou ao cético o interesse em saber qual é a função da encarnação (grandes preconceitos surgem da falta de interesse em aprender com o outro). A função da encarnação é restringir a vida do espírito e protegê-lo para que ele possa desenvolver algumas outras habilidades e qualidades (realizar a missões de vida).  O “esquecimento” do passado tem a função de ajudar nesta restrição (leia mais aqui).

O espírito que encarna na Terra já teve centenas de encarnações. Teve muitas experiências positivas e negativas. Ao encarnar novamente, ele não busca resolver todos os “problemas” de uma só vez. Ele possui objetivos evolutivos; possui suas missões de vida. Ao renascer talvez o espírito não traga as memórias das violências a que foi submetido (vide exemplo acima). Sua missão pode ser outra, e o desequilíbrio que vem junto com os traumas não será útil nesta encarnação.

Seguindo o exemplo: se os traumas das violências não se fizerem presentes nesta encarnação, outras memórias do espírito estarão presentes. Estas memórias influenciarão a vida desde a concepção até a velhice. Existe uma seleção de memórias que ficam ativas no momento da encarnação, enquanto outras ficam “inativas”.

A reencarnação serve justamente para que possa haver esta seleção das memórias do espírito que vão fazer parte desta encarnação ou não (para uma explicação mais profunda, leia o livro Nascer Várias Vezes)

Como as memórias do espírito influenciam a mente humana?

O cético se confunde quando considera como memória apenas aquilo que pode ser explicitado. Tipo assim: ontem fui ao cinema ver o filme x com meu irmão (esta memória é chamada de explícita). Já as memórias de encarnações passadas atuam principalmente em outro nível de memória. Atuam no inconsciente e/ou através da memória implícita ou procedural. 

Lembre do primeiro erro do cético: ele não sabe que existem vários tipos de memórias.

“A memória de procedimento (também chamada implícita) armazena dados relacionados à aquisição de habilidades mediante a repetição de uma atividade que segue sempre o mesmo padrão. Nela se incluem todas as habilidades motoras, sensitivas e intelectuais, bem como toda forma de condicionamento. A capacidade assim adquirida não depende da consciência. Somos capazes de executar tarefas, por vezes complexas, com nosso pensamento voltado para algo completamente diferente” (Roberto de Godoy). Exemplo: você, ao dirigir um carro, freia “sem pensar”; fica tudo no “automático”. Uma criança de dois anos, no “automático”, ao passear no parque de diversões, escolhe prestar atenção nas formigas no chão para não mata-las, outra presta atenção nos brinquedos, outra se sente insegura frente a tanta gente, etc.

“Nossas interações não verbais com as pessoas e muitas de nossas lembranças emocionais fazem parte do nosso sistema de memória procedural (implícita). ... As memórias procedurais são em geral inconsciente”. (1)

Sensações, intuições, interesses pessoais, sensibilidades diversas, condicionamentos, vocações, etc. Todas estas áreas estão intimamente relacionadas às memórias implícitas / procedurais e são extremamente suscetíveis à influência das memórias de “vidas passadas”.

Ou seja, grande parte do motivo de você ser diferente do seu irmão se deve ao fato de terem memórias de encarnações passadas influenciando de modo diferente suas mentes. Você não tem plena consciência disto, como não tem plena consciência da origem da maior parte dos fatos, situações e sensações que te fazem ser o que você é, da forma como você é.

Quanto você se lembra da sua vida até os quatro anos de idade? Esta é a fase mais importante para a formação da sua personalidade. Portanto, o ato de você lembrar ou não de algo não é central.

Central na sua vida são os desafios. Ser como você é gera vários desafios e facilidades. Suas qualidades e habilidades definem muitos dos seus desafios. Tudo isto é altamente determinado pela ação das memórias de encarnações passadas. A pessoa pode não saber a origem do problema, mas pode saber qual é o problema e superá-lo.

Uma mulher tinha muita vergonha do próprio corpo, por causa de memórias emocionais implícitas que atuavam negativamente através do inconsciente. Na terapia de regressão esta memória emocional implícita foi conectada com a memória explícita. Ou seja, conectou a história e os fatos (memória explícita) com emoções, sensações corporais e traumas que estavam agindo através da memória implícita. Ou seja, ela descobriu que em outras encarnações teve o corpo deformado, foi vítima de abusos e sofreu muito por causa disto. Durante décadas estas memórias geraram emoções negativas relacionadas ao corpo atual. Seu desafio de vida incluía superar o trauma relacionado ao seu corpo. Milhões de pessoas superaram estes tipos de traumas sem nunca saberem a origem. Esta mulher teve uma oportunidade a mais: trabalhar terapeuticamente de modo a ser auxiliada na sua luta evolutiva.

Esta é a vida do ser humano: lutar para superar a si mesmo a fim de viver melhor e aprender cada vez mais. Uma pessoa que aprende a viver sem ter vergonha de si, por exemplo, estará se preparando para viver melhor hoje e amanhã. Esta nova qualidade será um bom recurso para ajudá-la a superar muitos outros traumas e condicionamentos criados no passado, seja na infância, adolescência, cinco minutos atrás ou em outras encarnações.

O que é chamado de “esquecimento” é uma limitação da consciência humana que tem uma função: proteger o ser humano de memórias que (normalmente) não se fazem necessárias para a vida encarnada atual. A função da encarnação não é ensinar alguém a dirigir carro. A função da encarnação não é ensinar alguém a fazer xixi no lugar certo. A função é colaborar com a vida espirito no desenvolvimento espiritual e na evolução moral, com a conquista das qualidades mais nobres.

A comparação com aprender a dirigir carro é, portanto, muito precária. Cabe ao espírito encarnado desenvolver a humildade, por exemplo. Se ele morar em uma tribo onde não há carro, mesmo assim poderá desenvolver a humildade. Ou desenvolver o equilíbrio, a capacidade de servir, a boa vontade, a gratidão, etc.


Não importa a língua, a religião, os títulos, os cargos, a riqueza, etc. Nada disso importa. Importa a conquista das qualidades mais nobres do espírito. Os desafios evolutivos estão presentes nas tendências de personalidade que existem em cada corpo, que é influenciado pelo espírito desde a concepção até a morte.




Este é o grande desafio da encarnação: tornar-se um espírito melhor. Uma pessoa pode tornar-se racista como reação a um fato acontecido quando tinha um ano de idade. Ele não se lembrará, mas a memória estará agindo, influenciando sua vida. Ele não tem consciência da origem do seu comportamento, mesmo assim aprendeu a ter ódio de outra pessoa. Seu desafio é lutar contra este ódio, tornando-se uma pessoa melhor. A reencarnação apenas acrescenta outro fator: a origem do racismo (ódio ou desprezo por outras pessoas) pode estar em fatos acontecidos no útero ou em outras encarnações.

Observe: o que interessa para o espírito é a luta para superar o ódio e todos os sentimentos negativos. Amadurecer emocionalmente, criar sabedoria interior. Aquele tipo de sabedoria que é útil para a vida espiritual, hoje e daqui a muitos séculos.

Os argumentos do cético padecem de lógica até para quem não acredita em reencarnação, pois descrevem parcialmente (ou seja, erroneamente) a forma como a mente humana funciona. Esta dupla forma da mente humana armazenar as memórias serve para facilitar a influência do espírito sobre a mente, sem permitir que condicionamentos passados a dominem de forma profunda. A função: facilitar, com esta vida protegida, a renovação e transformação do ser que está encarnado. O aprendizado importante não é fazer cocô ou dirigir carro (tudo isto é descartável). O aprendizado importante são as características nobres que irão impulsionar o espírito rumo à evolução.

Muito mais poderia ser dito. Existem muitos livros e muitos estudos a disposição de quem quiser se informar mais em cada um dos tópicos colocados neste texto. Sugiro ler o livro e os outros textos do blog Nascer Várias Vezes. Se informar é o melhor caminho.


(1) Norman Doidge, O cérebro que se transforma, pag. 246, ed. Record.


Autor: Regis Mesquita



Ajude o Blog Nascer Várias Vezes recomendando esta postagem no G+, curtindo no Facebook, retuitando ou mandando o link deste texto por email.




Na página do Facebook - Nascer Várias Vezes - você encontra uma coletânea de pensamentos retirados do livro Nascer Várias Vezes (atualizada diariamente).

Te convido a conhecer a página, curtir e compartilhar os pensamentos com seus amigos.



Leia também:














um livro planejado para auxiliar a evolução espiritual das pessoas


Leia o sumário e descubra os temas dos capítulos do livro


Depoimentos de quem leu o livro Nascer Várias Vezes




A vida continua sempre. nada é eterno e imutável. Deus organizou a vida desta forma para dificultar a acomodação.



Um pouco sobre a memória intrauterina:

A memória intrauterina existe e funciona mesmo que o cérebro do feto ainda não esteja formado.

Vamos entender: mesmo sem o sistema nervoso formado, o feto apresenta capacidade de aprendizado. Nas regressões à vida intrauterina acompanhamos centenas de casos destas lembranças. Lembranças estas que foram devidamente reconhecidas por pessoas que participaram dos eventos. (Pode-se conferir estas lembranças perguntando para as pessoas, pesquisando documentos, etc).

Pesquisadores, como Hernane G. Andrade, chamaram estas memórias de “memórias extra cerebral”. Como são memórias de fatos que acorreram a poucas décadas é mais fácil rastrear sua veracidade e encontrar pessoas vivas e objetos que as confirmem.

A memória do ser humano encarnado começa a se formar ainda no útero. Esta memória é uma interação entre as memórias do espírito, eventos acontecidos no útero (e ao seu redor), genética, sentimentos, emoções e outros. Desta inter-relação surge o bebê, cuja mente ao nascer não é uma “folha em branco”. Apesar da vida riquíssima dentro do útero, ninguém se lembra desta época. Nem de quando tinha 1 ano, por exemplo.

Recomendo a leitura do capítulo do livro Nascer Várias Vezes:
“A vida dentro do útero é fundamental para a formação da mente”







Licença para reprodução dos textos do blog Nascer Várias Vezes: siga as instruções
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo, seu comentário é importante. Você também pode receber emails das novas postagens do blog. Inscreva-se no final da página de textos do blog (depois confirme no seu email).

Siga o Blog Nascer Várias Vezes no Twitter

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...