sábado, 4 de fevereiro de 2012

O que faz o espírito escolher ficar próximo ao plano material após a morte do corpo?




Eu tenho um passado, mas não vivo mais lá. Viver no passado é perder o presente.



Por Regis Mesquita


"As motivações para o espírito ficar próximo ao plano material logo após a morte do corpo são todas negativas, pois o caminho natural do espírito é se afastar, distanciar. Portanto, a escolha da proximidade corresponde a um uso intensivo dos recursos negativos que um espírito cultivou ao longo do tempo. Este uso maciço de negatividades geralmente gera confusão mental, percepção fantasiosa da realidade e um grande número de sentimentos negativos. É um mergulho no “fundo do poço” que cobrará um grande esforço para o espírito se reerguer. (Este raciocínio não vale para os espíritos mais evoluídos.)"

Trecho do livro Nascer Várias Vezes


O fluir natural dos acontecimentos que se sucedem à morte do corpo é o desligamento do perispírito e do espírito deste corpo. Esta separação física é seguida de uma separação espacial. Ou seja, o espírito desloca-se para outros lugares.

O encarnar é um momento especial, o desencarnar também o é. Em condições normais, o espírito aceita o auxílio de outros espíritos, o que facilita sua adaptação à realidade de espírito desencarnado. Esta readaptação inclui a retomada de memórias que estavam isoladas e sem ação no período encarnado. Esta retomada de memórias afeta profundamente sua identidade, ou seja, (em condições ideais) o espírito deixa de se identificar com a última encarnação e passa a se identificar com sua única vida, a vida do espírito.

Um espírito pode ter tido centenas de encarnações, com qual delas irá se identificar no plano espiritual? Com nenhuma. Ele irá identificar-se com a vida do espírito, a menos que esteja patologicamente apegado à uma encarnação qualquer. O espírito não é pai, não é irmão, não é homem, nem mulher. Não é rico ou pobre, feio ou bonito. Com o desencarne (morte) e a retomada das memórias muito amplas do espírito, a vida encarnada passa a ser como um barco que aos poucos vai sumindo no horizonte.

Portanto, o fluir de um desencarne é o desapego e a desidentificação. A vida continua em outras condições e com outras necessidades evolutivas imediatas. A vida do espírito torna a experiência encarnada recente uma entre centenas de outras encarnações. (Para o espírito a vida encarnada atual é importante; mas, é importante como as outras centenas.)

Quanto menos evoluído é o espírito mais difícil é ele se desapegar e se desidentificar. Espíritos atormentados, dominados pelas emoções e pelos traumas, costumam se agarrar ao máximo à vida que existia antes do fim do corpo. Chegam a viver uma vida de delírio, mantendo-se próximos fisicamente ou energeticamente e, ao mesmo tempo, delirando uma realidade que não existe.





Um pai que falece pode ter a necessidade compulsiva de proteger seus filhos. Seu esforço será por manter o máximo de proximidade, procurando influenciar suas vidas. O apego pode torná-lo um obsessor de sua família. Irá prejudicar seus familiares e pouco ajudará. Com o tempo terá que aprender a necessidade do desapego e a importância de deixá-los seguir suas próprias vidas.

Espíritos de luz costumam ajudar estes espíritos. Tentam resgatá-los para um bom caminho. Quando aceitam ajuda tudo fica mais fácil. Por outro lado, quando se revoltam, não aceitam e não se adaptam à nova realidade, tudo fica mais difícil.

A morte é, portanto, acompanhada de descobertas e desafios. A nova vida do espírito deve se impor. Esta vida continua em outras condições e em outros locais. Todos nós já fizemos esta transição do desencarne centenas de vezes. Não há porque ter medo. Somente não lembramos, pois estas lembranças estão protegidas e só devem ser acessadas através da ampliação da consciência ou como terapia.

Na realidade, quando o espírito encarnado evolui as memórias de encarnações passadas ficam MENOS protegidas. Milhões de pessoas, que estão evoluindo espiritualmente, estão tomando consciência de várias encarnações e de vários desencarnes. Sabemos mais sobre nós mesmos à medida que a consciência é ampliada.

Devemos nos preparar psicologicamente para aceitar o falecimento, seja nosso, seja de um membro querido. O processo de vida encarnada finalizou e não aceitar o que é real somente aumenta o sofrimento e dificulta a retomada/evolução da vida.

Deve-se cultivar a gratidão à todos os antepassados desencarnados. Ser grato facilita a transmissão de energia entre encarnados e desencarnados. Isto torna mais agradável a vida de todos.


OBS: o último capítulo do livro Nascer Várias Vezes tem o seguinte título – “Fim: qualquer dia a gente se vê por aí”. E trata do tema da despedida. Um tema essencial para todos, já que a vida nos obriga a despedir de muitas pessoas próximas.


Autor: Regis Mesquita
https://twitter.com/saberespirita







Todos os dias novos textos são incluídos na página do livro Nascer Várias Vezes do Facebook: http://www.facebook.com/nascervariasvezes

Não perca nenhuma postagem, coloque-a nos seus favoritos e visite-a semanalmente.




PS: você pode receber os novos textos do blog Nascer Várias Vezes no seu email. Na coluna da direita existe um lugar para você digitar seu email. Depois você deve confirmar a inscrição através da mensagem que receberá no seu email.




Compre agora o Livro Nascer Várias Vezes





Ou, se preferir depositar no Banco Itaú, mande um email 
para regismesquita@hotmail.com que lhe enviarei as informações.



Assista abaixo ao vídeo de apresentação do livro Nascer Várias Vezes 






Um comentário:

Seja bem vindo, seu comentário é importante. Você também pode receber emails das novas postagens do blog. Inscreva-se no final da página de textos do blog (depois confirme no seu email).

Siga o Blog Nascer Várias Vezes no Twitter

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...